Cobrança de aluguel: 6 dicas para cobrar sem perder a boa relação


Compartilhar:

A cobrança de aluguel pode parecer algo corriqueiro e normal no fechamento do ciclo de trinta dias para a realização do pagamento, porém pode envolver problemas em casos de atraso ou de reavaliação de contrato de locação.

No caso de uma locação, o contrato pode apresentar as principais obrigações, direitos e deveres do locador (proprietário) e do locatário (a pessoa que aluga o imóvel), descrevendo também os valores e política de juros possíveis a serem aplicadas em casos de atraso, adiamento da cobrança ou renovação contratual.

Neste artigo daremos algumas dicas importantes para manter uma relação estável e positiva com o inquilino.

A cobrança de aluguel

No contrato de locação, dentre as obrigações do inquilino, temos a do pagamento do valor mensal do aluguel.

Seja um imóvel alugado direto com o proprietário ou por meio de uma imobiliária, o preço mensal deve ser obedecido e pago pelo inquilino, em casos de atraso poderão ser cobradas multas pelo atraso e até mesmo gerar condições para uma cobrança judicial em casos de atrasos muito longos ou de quebra de contrato.

1 – Não ameace

Caso você seja locador ou administrador de imobiliário, nunca ameace logo o inquilino. É importante sempre conversar, compreender o por quê do atraso e até mesmo oferecer parcelamento da dívida acumulada sem comprometer o pagamento dos próximos meses.

Aquela imagem do proprietário que logo aparece na porta cobrando pelo aluguel de forma enérgica pode prejudicar a sua relação com o atual inquilino e até mesmo manchar a sua imagem de administrador no mercado quando, no futuro, o imóvel estiver vazio em busca de novos locatários.

2 – Seja compreensivo

Como falamos anteriormente, apesar de você também precisar da renda gerada com os aluguéis do imóvel, seja compreensivo, afinal não é todo dia que você consegue conquistar um cliente para alugar seu imóvel.

3 – Faça contato

Caso o atraso seja muito longo, entre em contato com o cliente, e procure conversar com ele calmamente sobre o atraso.

Mostre que você é um amigo comercial procurando por notícias de seu cliente amigo, e saiba tocar no assunto do atraso e do endividamento.

4 – Envie notificação de atraso

Caso o cliente não atenda, tente enviar uma notificação impressa de atraso. Além de entregar a notificação na portaria do prédio ou na entrada da casa, envie a notificação via e-mail, WhatsApp e telefonema.

Evite utilizar as redes sociais e muito menos faça cobrança pública para não gerar constrangimentos.

Migmidia - Site para corretores e imobiliáras

5 – Escolha as palavras certas

Nunca utilize um tom ameaçador para não perder a razão, afinal o pagamento do aluguel é uma condição financeira para o inquilino morar ou usar o imóvel.

No início do contato evite utilizar termos como “dívida”, “me pague logo”, “vou processar você”, entre outras que não servem para criar um bom relacionamento.

6 – Ofereça ajuda

Em muitos casos, você mesmo pode oferecer ajuda para o inquilino conseguir um emprego novo, uma indicação de trabalho ou de conseguir novos clientes caso o inquilino seja um empreendedor e precise gerar renda extra.

Mesmo que este não seja o caso, saiba compreender a situação do cliente oferecendo outras opções de pagamento.

Dica bônus: Ofereça um novo prazo

Mesmo que os juros já estejam sendo aplicados sobre o valor em atraso, ofereça um novo prazo para pagamento dos aluguéis em débito com abatimento de parte dos juros.

Outra possibilidade é parcelar o valor dos meses em débito sem comprometer os valores a serem pagos nos meses futuros. Essa prática é muito utilizada para os imóveis comerciais.

Outro fator a ser levado em conta é o histórico de pagamento do cliente, podendo o atraso ser considerado como uma situação fora do normal justificando um tratamento respeitoso e amigável.

Em caso de inquilino irresponsável que ameaça depredar o imóvel ou abandoná-lo, a situação poderá exigir ações judiciais e até mesmo a quebra do contrato.

Porém, antes de alugar o imóvel avalie o perfil, a renda e o histórico do cliente nas agências de crédito.

Conclusão

Portanto, existem muitas maneiras de saber agir para não perder o cliente e não desgastar uma boa relação comercial com o inquilino.

Perder um cliente por desentendimentos pode ser ruim para o futuro de seu negócio no setor. Mas, saiba equilibrar os direitos e deveres de cada parte para a busca do melhor entendimento possível.

Compartilhar: